Três anos de namoro

2015-07-18 16.02.16

Talvez não pareça, mas sou um pessoa romântica. Sempre idealizei diálogos e situações com o amor da minha vida. Aliás, eu não sabia exatamente quando ele chegaria e se chegaria, mas eu imaginava como seriamos juntos. Como quando você ensaia diálogos e torce para que a vida siga seu script.

Eu já gostei muito de algumas pessoas, mas eu sempre soube que conseguiria viver tranquilamente sem elas e uma hora essa decisão foi necessária. Quando entendi que eu nunca deveria implorar para que um sentimento fosse recíproco, de maneira despretensiosa, a vida me mostrou o amor verdadeiro.

Hoje é um dia muito especial em que eu e o Eduardo completamos três anos de namoro, principalmente porque quem me conhece sabe o quanto cresci com essa relação. Engraçado como às vezes nem consigo me lembrar como eu era, porque o mundo se tornou muito maior e possível desde que eu entendi que ter ao meu lado alguém que me ama torna a vida mais fácil e feliz.

Durante esses três anos aconteceram muitas coisas na minha vida, algumas que eu até contei no post anterior. Em absolutamente todos os momentos o Eduardo esteve ao meu lado, seja para secar as minhas lágrimas, para acalmar minha ansiedade, para dar o melhor abraço do mundo e, principalmente, para dizer que acredita em mim, no melhor que posso ser como pessoa e como profissional.

Foram três anos inesquecíveis em que viajamos para lugares que eu sempre quis conhecer, que realizei muitos sonhos, vivemos muitos desafios pessoais e profissionais, comemos em ótimos restaurantes e conhecemos a vida da maneira que eu imaginava para nos scripts. Há três anos eu tenho um companheiro fiel, pois mesmo que não entenda os meus motivos, mesmo que não concorde, ele sempre me lembra que haja o que houver ele estará ao meu lado e eu espero que ele entenda que eu estou sempre disposta a fazer o mesmo por ele.

2014-01-06 22.42.25
Jovens e magros nos primeiros meses juntos

Em três anos o relacionamento, inevitavelmente, se mistura muito com a rotina das nossas vidas e por isso, às vezes, não nos atentamos para a importância de parar, respirar e visualizar tudo o que nos tornamos e conquistamos juntos. Quando temos esse momento de reflexão me sinto uma pessoa de muita sorte e sinto muita gratidão por ter a oportunidade de ter um relacionamento saudável baseado no respeito, amor e admiração que sentimos um pelo outro.

Parece até inimaginável um relacionamento tão bom, mas quem convive conosco sabe que raramente nós brigamos, que preferimos fazer tudo o que é possível juntos, que gostamos de ficar grudadinhos. Quando começamos a namorar, traumatizados com relacionamentos abusivos, combinamos que não importaria qual problema tivéssemos, nós sempre sentaríamos e conversaríamos sobre isso, porque prolongar alguns sofrimentos acreditando que o outro vai mudar por si só é muito desgastante, além de ser em vão. Não vou negar que precisamos discutir a relação uma vez ou outra, mas, porque sabemos a importância disso, nos tornamos mais dispostos a entendermos os problemas e resolvê-los juntos.

Hoje eu sei que um relacionamento saudável te oferece amparo, confiança e motivação para encarar a vida que se apresenta a cada amanhecer e, principalmente, entendo a importância dessa parceria até para os sucessos individuais. Eu escrevi no começo do texto que às vezes eu não me lembro como eu era antes e mesmo acreditando que cada parte do que fui é indispensável para o que sou, eu gosto de quem sou agora.

O amor chegou na minha vida e viver com o Eduardo com certeza me torna uma pessoa melhor. Pode ser que eu não consiga ser para ele o que ele é para mim, pode ser que eu seja e não consiga demonstrar claramente, mas aprender a viver e a demonstrar o amor é um dos desafios que abracei e ainda tenho muito o que aprender.

Certa vez, no começo do namoro, eu escrevi uma frase que dizia eu parei de escrever histórias de amor, porque comecei a vivê-las. Torço para que essa história não tenha um ponto final, porque hoje eu não sei se consigo viver sem a presença cúmplice do Eduardo. Na verdade, talvez eu até consiga, mas eu não quero.

Deixe uma resposta