A ONDA

Sem título

Desde as eleições presidenciais de 2014 o Brasil tem gritado suas divergências políticas nas redes sociais como um clássico imperdível de Fla x Flu, inclusive com a violência conhecida entre torcedores rivais no futebol. É notório que as redes sociais, sobretudo o Facebook, a rede social mais utilizada no Brasil, deram voz para opiniões antes só percebidas nas ideologias de veículos de imprensa.

É comum ver mortadelas e coxinhas exporem suas ideologias no Facebook de maneira agressiva e como se fosse a mais correta. Nas redes sociais também discute-se muito a influência da mídia na formação da opinião pública, tratando como uma vilã. O que, certamente, poucos perceberam é que não importa de qual lado da torcida você esteja, as discussões perderam as características democráticas.

Nesse fim de semana assisti ao filme A Onda, que retrata a possibilidade de instaurar um governo ditatorial em meio ao século XXI. O filme alemão dirigido por Dennis Ganse, lançado em 2009, é baseado na história real de um professor de história, no filme chamado Burt Ross, que é encarregado de lecionar um curso de Autocracia aos seus alunos.

Na primeira aula o professor pergunta aos seus alunos se eles acreditam na possibilidade de um governo autocrático acontecer na Alemanha do século XXI. Ao perceber que seus alunos se sentem confiantes demais para identificar e recusar-se a viver uma autocracia, o professor decide aplicar durante as aulas diversas atividades práticas características de um governo ditatorial.

poster-a-onda

São estabelecidas regras que obrigam o uso de uniforme, um nome é dado ao grupo, escolhido pelos alunos como “A onda”, um símbolo é adotado para identificar o grupo, além de  serem exigidas mudanças no comportamento dos alunos, como se levantar ao falar e dirigir-se ao professor como “senhor”, reconhecendo a sua superioridade como líder do grupo. Os alunos obedecem cegamente cada uma das regras impostas e descriminam veementemente aqueles que se recusam a fazer parte da Onda.

Surpreendido com o comportamento dos alunos que continuam as atividades fascistas mesmo com o fim do curso, o professor reúne a turma para oficializar o fim da Onda e, principalmente, fazer com que seus alunos entendam que atitudes aparentemente simples, se aceitadas pelo grupo, podem torná-los “escravos” de um líder, tornando-os capazes de descriminar quem não reconhecer aquele líder e fazê-los acreditar que possuem superioridade em relação à sociedade. A autocracia não era impossível, como os alunos acreditavam.

Obviamente não contarei o desfecho da história aqui, já que gostaria que você assistisse ao filme e pudesse tirar suas próprias conclusões. O filme completo está disponível logo abaixo.  Para mim, esse é um filme que nos mostra o quanto podemos ser manipulados nas ideologias política que acreditamos, independente de qual seja.

É hora do brasileiro repensar suas atitudes como cidadão e não culpar apenas a mídia como a única vilã da manipulação social. O ser humano tende a confiar nos líderes daquilo que acredita e assim, por melhores que sejam os ideais, nos tornamos menos humanos ao excluir e desrespeitar quem pensa diferente.

Vale a pena assistir. Dê o play!

A Onda
Data de lançamento 21 de agosto de 2009 (1h 48min)
Direção: Dennis Gansel
Elenco: Jürgen Vogel, Frederick Lau, Max Riemelt mais
Gênero Drama
Nacionalidade Alemanha

 

Deixe uma resposta